fbpx
Espondilolistese
20 de junho de 2015
Endoscopia cerebral
20 de setembro de 2017

O que é a cirurgia minimamente invasiva da coluna?

É um conjunto de procedimentos que visa o tratamento das doenças da coluna de uma forma menos agressiva para o corpo e, desta forma, trás uma recuperação mais rápida, um retorno mais rápido às atividades profissionais e habituais, e também apresenta menor risco de complicações cirúrgicas e pós-operatórias. Por exemplo, o risco de sangramento e infecção é menor, haja visto que os cortes são menores e em muitos destes procedimentos, até mesmo inexistentes, pois podem ser feitos com agulhas ou com auxilio de endoscópio

Para que tipo de doença ou paciente estas técnicas estão indicadas?

As principais doenças tratadas com estas técnicas são as doenças degenerativas da coluna, que incluem as famosas hérnias de disco e os famosos bicos de papagaio. Outras doenças, como fraturas, tumores e deformidades, também podem, muitas vezes, serem tratadas por técnicas minimamente invasivas da coluna. Porém, os principais alvos são aqueles problemas relacionados à hérnia de disco.

O que causa a hérnia de disco?

Bom, é uma doença degenerativa, então o paciente apresenta uma predisposição genética. Associa-se a isso, o envelhecimento da coluna; e, o único fator que podemos modificar, são os fatores ambientais. Postura inadequada, exercícios físicos feitos de forma errada, de mais ou de menos, também podem predispor ou agravar quadros de hérnia de disco. Algumas atividades profissionais também podem predispor. Mas é importante ressaltar a predisposição genética, existem pessoas que fazer tudo errado e não têm hérnia de disco, e outros que fazem tudo certo e acabam sofrendo com esse problema.

Quando que o paciente com hérnia de disco precisa realizar uma cirurgia?

90% das hérnias de disco melhoram com o tratamento clínico, ou seja apenas 10% vão precisar de cirurgia, mas como é uma doença muito frequente, realizam-se muitas cirurgias de coluna. Quando o paciente apresenta dor incapacitante ou algum sintoma neurológico associado como perda de força ou sensibilidade, é um candidato a cirurgia. Caso o paciente não esteja melhorando com o tratamento clínico, também é candidato ao tratamento cirúrgico.

Uma grande preocupação dos pacientes é o risco de sequela com uma cirurgia na coluna. Este risco é real? 

Hoje em dia, utilizamos técnicas muito seguras e que minimizam ao máximo esse risco. Geralmente, os pacientes conhecem um vizinho ou um amigo que fez uma cirurgia de coluna e está muito mal, não melhorou ou ficou com uma sequela…. É importante entender que um dos objetivos da cirurgia é justamente evitar que o paciente evolua com tal sequela, então não devemos generalizar essas situações, pois não dá pra saber o que aconteceu com esses casos, é uma doença com uma variedade muito grande de apresentação. Uma hérnia grande pode causar sintomas apenas transitórios em um paciente, enquanto uma hérnia pequena pode causar disfunção neurológica grave em outro pacientes. As cirurgias apresentam um risco que é controlável.

Como que é feita esta cirurgia? Como é a anestesia? Quanto tempo precisa ficar internado?

Eu vou ressaltar aqui a cirurgia endoscópica, pois é um método minimamente invasivo que vem crescendo bastante no país e que possui uma gama maior de aplicação clínica. Para uma hérnia de disco lombar simples, por exemplo, a cirurgia é feita em regime ambulatorial, ou seja, o paciente recebe uma sedação e uma anestesia local, a cirurgia dura cerca de 40 minutos a 1 hora, pode levantar logo após a cirurgia e vai embora em torno de 2 a 3 horas após a cirurgia.

Quanto tempo de recuperação o paciente precisa depois de uma cirurgia minimamente invasiva pra hérnia de disco? Precisa ficar afastado por muito tempo?

A recuperação depende muito do paciente e do tipo de doença que ele apresenta, mas de uma forma geral, deixamos 1 semana de repouso em casa e logo reavaliamos para liberar para atividades. Profissões administrativas podem ser retornadas em 10 a 14 dias, mas é importante reservar um tempo para a reabilitação, que é geralmente iniciada 1 a 2 semanas após o procedimento. E aos poucos, vamos liberando para atividades que exijam mais esforço.

Quais são as vantagens da cirurgia endoscópica da coluna, quando comparada com a cirurgia convencional?

De uma forma geral: menor tempo de cirurgia, menor risco de sangramento ou de infecção, sem necessidade de anestesia geral, retorno mais rápido às atividades habituais e profissionais, menos dor pós-operatória já que o corte é menor ou até mesmo inexistente e a musculatura é discretamente mobilizada e separada, ao contrário do que acontece nas cirurgias convencionais que a musculatura precisa ser “descolada” do osso.

Dr. Marcelo Amato - CRM: 116.579
Dr. Marcelo Amato - CRM: 116.579
Médico e Neurocirurgião pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (USP); Doutor em Neurocirurgia (Clínica Cirúrgica) pela Universidade de São Paulo (FMRP-USP), orientado pelo Prof. Dr. Benedicto Oscar Colli; Especialista em Neurocirurgia pela Sociedade Brasileira de Neurocirurgia (SBN) e pela Associação Médica Brasileira (AMB); Especialista em Cirurgia de Coluna pela Sociedade Brasileira de Coluna (SBC) e Associação Médica Brasileira (AMB); Linha de Pesquisa em Cirurgia Endoscópica da Coluna desde 2013 pela FMRP-USP com diversos artigos e livros publicados nacional e internacionalmente; elaboração de aulas e cursos nacionais e internacionais sobre Endoscopia de Coluna, e realização de consultorias em todo território nacional ; Neurocirurgião referência do Hospital de Força Aérea de São Paulo (HFASP); Diretor do Amato - Hospital Dia;

8 Comments

  1. francisco pinto disse:

    tenho uma cirurgia à coluna para realizar em L4, L5 estenose lombar e hernia, estou com receio. Falando com um ortopedista diz que preciso de parafusos e talvez umas barras e espaçadores. Indicaram que falasse com um neurocirugião e fuji informado que nada disso preciso, só abrir o canal e extrair a hernia. Estou confuso, qual a cirurgia ap+licavel ao meu caso? agradeço informação para o email.

  2. Adellismária Torres de Andrade disse:

    Hérnia de disco grande extrusada na C7, pinçando a medula , pode realizar a cirurgia endoscópica? Comparada a artoplastia qual tem melhor benefício?

    • Dependendo do local da hérnia, pode ser realizada endoscopia sim. A hérnia que além de comprimir a medula é muito central, não é boa indicação para endoscopia por via posterior. A grande vantagem da endoscopia em relação à artroplastia, é a preservação do disco natural. Sempre que o problema é causado pela compressão neural, a prioridade deve ser a descompressão neural da forma menos invasiva possível. A artroplastia visa, além da descompressão, a substituição de um disco que pode estar causando problemas por si só, independente da compressão neural.

  3. Sílvia Aparecida de Oliveira disse:

    Olá Dr. Marcelo!
    Passei em agosto por uma cirurgia na coluna cervical, Artrodese com sinais de discectomia em C5 e C6 e implantação de espaçador intersomático. Tinha uma hérnia comprimindo a medula e fazia meu braço adormecer. A cirurgia foi com
    anestesia geral e corte no pescoço, colocou parafusos e placa. Na ressonância que fiz agora deu discopatia degenerativa difusa caracterizada por desidratação discal. O dr. disse que não é nada que dessa parte eu estava curada …não entendi porque isso na ressonância.
    Contudo eu há tinha um problema sério na coluna lombar que dói muito mais. Na ressonância de agora deu alterações degenerativas nas articulações interapofisárias L4 -L5 e L5-S1 com anterolistese de L4 sobre L5.
    Discretos osteófitos marginais nos platôs vertebrais e discopatia degenerativa difusa caracterizada por desidratação discal.
    O dr. recomendou infiltração pra tentar não fazer mais uma cirurgia.
    Gostaria da sua opinião sobre esse meu caso, sobre a infiltração e saber porque essa minha coluna apresentou tantos problemas assim…
    Tenho 58 anos ,sou professora, o problema da lombar apareceu há uns 10 anos e da cervical no ano passado.
    Obrigada!

    • Olá Sílvia! As alterações descritas como doença degenerativa denotam desgaste da coluna. Não existe apenas uma causa para esse desgaste, é um problema multifatorial. Existe uma predisposição genética, que talvez seja o fator mais importante, em seguida, o que fazemos com a coluna é muito importante. Postura inadequada, exercícios de forma errada, etc. Quando identificamos o problema, precisamos investir no que é possível fazer em termos de adequação postural e exercícios físicos, além de adotar hábitos saudáveis de vida, como alimentação adequada, sono restaurador, atividades de lazer, etc. A infiltração é um procedimento relativamente simples que pode trazer alívio da dor e melhora da qualidade de vida, mas principalmente, dar condições para realizar uma reabilitação eficaz.

  4. Carolina Reis disse:

    Bom dia
    Faço acompanhamento de 2 hérnia de disco há 6 anos e na ultima RM (outubro) desse ano houve uma “piora”. Estou com dores desde de agosto e percebo as vezes a perna esquerda “fraca” e bem leve formigamento. Não consigo ficar muito tempo sentada, mais confortável é em pé ou deitada.
    Técnica do exame:
    Estudo realizado em aparelho de alto campo (1,5 Tesla), com cortes sagitais em ponderação T1 e T2, e cortes axiais em ponderação T2 que evidenciam:
    Relatório:
    Acentuação da lordose lombar.
    Hipossinal T2 nos núcleos pulposos dos discos intervertebrais em L4-L5 e L5-S1, com redução destes espaços discais.
    Observa-se aspecto de degeneração com hipertrofia interfacetária bilateralmente de L2-L3 a L5-S1.
    O canal vertebral foi visualizado de aspecto normal por todo o segmento analisado.
    Intensidade de sinal habitual nos corpos vertebrais lombares, cone medular, líquido cerebro espinhal e raizes nervosas lombares.
    Nota-se protrusão discal focal postero central em L4-L5, com extensão de material discal (1,8 x 0,9cm), com compressão do saco dural e do ligamento longitudinal posterior neste nível.
    Discreta protrusão discal focal postero central em L5-S1, com hipersinal T2 anular focal de permeio, provocando compressão do saco dural adjacente.
    Impressão Diagnóstica:
    Espondiloartrose da coluna lombo-sacra.
    Protrusão discal focal postero central em L4-L5, com extensão discal neste nível (hérnia discal extrusa).
    Protrusão discal focal postero central em L5-S1, com ruptura anular focal associado (hérnia discal).
    Mediante tudo isso meu ortopedista me encaminhou para um neurocirurgião para uma avaliação de cirurgia na L4-L5. A Cirurgia Minimamente Invasiva seria meu caso?

    Grata pela atenção.

    • Olá Carolina, a cirurgia minimamente invasiva, especialmente a endoscopia da coluna, é excelente método para descompressão neural e retirada do fragmento extrusão de hérnia de disco que está comprimindo o nervo. São raros os casos em que a cirurgia minimamente invasiva não pode ser realizada. Em geral, quando o tratamento clínico não está sendo bem sucedido e existe sinais clínicos de compressão nervosa, a cirurgia realmente precisa ser considerada. Atenciosamente,

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *