De volta ao topo

Potencial Evocado Somatossensitivo e Potencial Evocado Motor

potencial evocado motor

     Os potenciais evocados são sinais elétricos gerados pelo sistema nervoso em resposta a a algum estímulo. Em geral, estímulos sensitivos, visuais ou auditivos são utilizados para estudo da integridade das vias neuronais, desde o órgão captador do estímulo, passando ao longo dos nervos até as diferentes regiões do cérebro responsáveis pelo processamento de determinada informação. Por exemplo, no potencial somatossensitivo, estímulos sensitivos realizados no punho ou no tornozelo, passam pelo nervo periférico, pela medula espinhal, tronco encefálico e então alcançam diferentes áreas do córtex cerebral, onde os sinais são finalmente captados através de sensores posicionados no crânio. As respostas são gravadas em um equipamento que amplifica os sinais e produz gráficos que serão avaliados pelo médico neurofisiologista. Desta forma, é possível analisar a integridade da via neuronal da sensibilidade, de forma análoga a um circuito elétrico. 

 

     Os estímulos realizados nesse teste, são estímulos elétricos de baixa intensidade e são geralmente bem tolerados pelos pacientes, apesar de poder causar leve desconforto. O mesmo não acontece para o potencial evocado motor. Neste exame, o estímulo elétrico é gerado no crânio e captado nos membros, pois a idéia é testar a via neurológica responsável por levar as informações de movimento desde o cérebro até os músculos dos braços e pernas. Por esse motivo, o potencial evocado motor, apesar de extrema utilidade para diagnóstico de doenças neurológicas, só é realizado com a presença de anestesista para que o paciente fique sedado durante o exame.

 

     O potencial evocado motor faz parte da multimodalidade de testes neurofisiológicos hoje, amplamente utilizado para a monitorização intra-operatória em cirurgias neurológicas ou cirurgias de coluna, pois garante informação precisa da integridade das vias neurológicas para o cirurgião enquanto o paciente encontra-se anestesiado. Pode e deve ser também utilizado como exame diagnóstico de doenças que acometem a medula espinhal, como acompanhamento evolutivo dessas doenças ou para planejamento operatório. Sempre em sistema de hospital dia, ou seja, em ambiente preparado para sedação ou anestesia, sem necessidade de internação, sendo o paciente liberado alguns minutos após acordar. 

 

Para agendar o exame entre em contato com o Instituto Amato: clique aqui!

 

Dr. Marcelo Amato (neurocirurgião e cirurgião de coluna)

Dr. Ricardo Ferreira (neurofisiologista responsável)