Cirurgia da Coluna

 Pino, parafuso, bloqueio, remédio, fisioterapia... qual a melhor opção?

    Quando existe apenas um tratamento para determinada doença, é porque este tratamento é curativo ou pelo menos bem eficiente. Quando existem diversos tratamentos para uma só doença, é porque nenhum dos tratamentos é curativo ou eficiente de forma isolada.
    Para cada tipo de problema na coluna existem diversos tratamentos disponíveis. A doença degenerativa da coluna pode ser constituída por: hérnia de disco,  bico de papagaio, canal estreito, escoliose degenerativa, cifose, espondilolistese... e pora cada problema existe uma diversidade de modalidades terapêuticas, sejam elas clínicas, fisioterápicas ou invasivas.  Somente a adequada associação de modalidades terapêuticas é capaz de trazer benefício integral para o paciente.
    Existem indicações bem precisas para o uso de instrumental (parafusos, pinos, hastes, gaiola ou cage, cross-link, placas, próteses) como nos traumas, nas cirurgias de tumores vertebrais,  nas espondilolisteses sintomáticas e refratárias ao tratamento clínico e na doença degenerativa quando há instabilidade.
    Os instrumentais estão se tornando cada vez mais modernos e a sua utilização mais segura, no entanto existem ainda complicações decorrentes do seu uso, como:  falha do sistema, da instalação do sistema, lesão de estruturas neurológicas (raízes, nervos, medula), maior taxa de infecção, maior tempo de internação no pós-operatório, desgaste mais acelerado dos segmentos adjacentes da coluna que não foram fixados e mais dor no pós-operatório. Mesmo quando bem aplicado, o uso isolado destes materiais não resolve o problema sozinho, o paciente deve seguir rigorosamente as orientações pós-operatórias e adotar um programa de reabilitação da coluna.
    Na vigência de um quadro doloroso da coluna em que não há lesão neurológica associada, existem outras alternativas para a cirurgia tradicional ou com instrumentação. Nesses casos podem ser utilizados os bloqueios anestésicos ou infiltrações, rizotomias por radiofreqüência e cirurgia minimamente invasiva.
    Existem também alguns problemas em se adiar uma cirurgia definitiva como por exemplo o aparecimento de dor neuropática ou a piora clínica de um paciente que já tenha idade avançada ou alguma doença associada. Portanto, cabe ao neurocirurgião, definir qual a melhor opção terapêutica para o caso em questão com o consentimento informado do paciente. No entanto, é importante lembrar que nenhum procedimento ou cirurgia para problemas degenerativos da coluna é curativo, a doença chamada de artrose da coluna ou espondilose é uma conjunção de fatores genéticos e ambientais associados, que aparecem ao decorrer da idade; e os procedimentos visam somente o alivio sintomático do paciente, portanto, o processo degenerativo continuará de qualquer maneira e novos problemas poderão acontecer
    Para o êxito do tratamento, cabe ao médico orientar as medidas preventivas para desacelerar o processo de desgaste da coluna, e ao paciente adotá-las de maneira correta e assídua.